A CORPS PERDUS

As nossas personagens são inevitavelmente atiradas para um mundo que eles tentam moldar, com o propósito de escapar de uma realidade triste e alcançar as suas mais elevadas e profundas aspirações.

Os mastros movem-se como se mudassemos a nossa visão do mundo, mudam espaços, dão luz às idéias, em seguida surgem novos, com uma visão que faz sentido, aceitando o facto de que esta é uma criação em movimento, de ajuste eterno, porque tudo muda. Nós somos os guardiões de um equilíbrio instável. Nós criamos um caminho sabendo que esta mesma ação requer um esforço, sabendo que este esforço vai conter a beleza da vida.

Cada movimento do mastro e do corpo é uma razão para chegar a alguém, o símbolo de um ponto de vista sobre a vida e seus paradoxos e uma tentativa de evitar a resignação e chegar a um estado ideal de liberdade, ação e criatividade.

ESTREIA NACIONAL

COMPANHIA: BIVOUAC COMPAGNIE

EQUIPA ARTÍSTICA E TÉCNICA:

 

Direção: Maryka Hassi

Assistência de Direção: Benjamin Lissardy

Cenografia: Maureen Brown

Música: Erwan Le Guen

Mastro Chinês: Benjamin Lissardy, Gaëtan Dubr iont, Nhat Nam Lê, Maureen Brown

Acrobacia: Charlie Marey

Trampolim: Nat Whittingham

Figurinos: Aline Froux

Desenho de Luz: Patrick Cathala

Direção de Cena: Raphael Quillart